Tricotilomania: 9 fatos que você deve conhecer

9 fatos sobre a tricolomania

Uma doença caracterizada pelo ato de puxar os fios de cabelo. Lendo isso ou assistindo uma pessoa agir assim pode até soar estranho, mas a tricotilomania não é raridade. Mesmo assim, ainda há preconceito com quem sofre com a doença. Mas o melhor remédio para o preconceito é a informação. Portanto, leia a seguir 9 fatos sobre a tricotilomania que você deve conhecer.

1)      Os primeiros relatos sobre a doença é de 1889. O médio francês François Henri Hallpeau descreve uma paciente que puxava os cabelos. Ele, na época, utilizou o nome “tricotilomania” que, do grego, trico = cabelo e tillo = arrancar.

2)      Na psicologia, ainda não há certeza dos motivos que leva uma pessoa a sofrer de tricotilomania. No entanto, os especialistas acreditam que a doença possa ser de origem biológica e/ou genética, transtorno de ansiedade, estresse, depressão ou situações traumáticas.

Saiba mais

Tricotilomania: quando arrancar fios de cabelo é uma necessidade

Fatos sobre a tricotilomania

Imagine que você está vivendo uma fase em que a angústia ou ansiedade estão presentes na sua vida. Em determinados momentos, sua mão se direciona até seu cabelo e você puxa os fios. Assim, de forma automática. E esse simples gesto faz com que você sinta-se bem e aliviado. A busca constante desta sensação é característica da tricotilomania (do grego, trico=cabelo/ tilo= puxar). Há grande necessidade arrancar fios de cabelo ou outros pelos do corpo, como os cílios.

Descrita como doença em 1889 pelo dermatologista francês François Hallopeau, a tricotilomania começou a ser mais divulgada a partir dos anos 90, devido o aumento dos casos. Estima-se que 5% da população sofra com a doença e, destes, a maioria são mulheres.

Saiba mais

Síndrome de Rapunzel: 7 coisas que você precisa saber

“Era uma vez, em um lindo castelo, uma belíssima jovem que possuía longos cabelos. Mas a donzela não queria jogar os cabelos para um príncipe. Em vez disso, arrancava-os, fio por fio e os engolia.” Pode até soar estranho para alguns, mas é uma história verdadeira. Quem sofre de tricotilofagia, também conhecido como síndrome de Rapunzel, tem o impulso de arrancar os fios e comê-los. Veja a seguir 7 coisas que você precisa saber: Saiba mais

Tricotilomania: entenda a doença que afeta a personagem Jade da novela Malhação

Sentir-se nervosa, alisar os cabelos e puxar um tufo. Assim já agiu a personagem Jade (Ana Julia Dorigon) da novela Malhação (Globo) em diversas cenas, dando indícios de tricotilomania – uma doença na qual as pessoas arrancam os fios de cabelo ou pelos do corpo, como cílios e sobrancelhas.

“A pessoa sente necessidade de puxar os próprios cabelos por prazer, gratificação ou alívio de tensão, acarretando falhas no couro cabelo”, esclarece a psicóloga Ana Laura Parlato, da Clínica Terapêutica Viva. Saiba mais

Você vai se emocionar com a incrível história de superação desta jovem

Desde os 12 anos, toda vez que Rebecca Brown estava estressada ou chateada, ela buscava o alívio que precisava no ato de puxar os fios de cabelo.  Um aparente hábito inofensivo transformou-se em um distúrbio psicológico que quase a deixou careca aos 16 anos. Rebecca sofre de tricotilomania – doença onde a pessoa sente um grande impulso em puxar os fios e pelos do corpo. Hoje, aos 20, tornou-se um exemplo para pessoas do mundo inteiro que também sofrem com a doença.

Saiba mais

Tricotilomania também é coisa de homem

Ansiedade, nervosismo, estresse. Qualquer coisa é motivo para Paulo começar a puxar fios de cabelo. Para ele, isso é algo espontâneo. Não dá para controlar. Mas puxar os fios não é para ele uma forma de tortura e, sim, de prazer e satisfação. Peraí, como assim?

Na vida existem muitas histórias de vida como a de Paulo. Homens que, por alguma razão emocional, puxam os fios de cabelo ou pelos do corpo por prazer ou alívio de tensão.  O problema é que não puxam um ou dois fios. Eles vão puxando constantemente e isso é caracterizado como um transtorno chamado tricotilomania.

Saiba mais

Termos de Uso e Política de Privacidade - Grupo Viva | Clínica Terapêutica Viva © - Todos os direitos reservados