P.L.R

Reservado anonimato

Com 13 anos tive meu primeiro contato com maconha e cola de sapateiro. Levava uma vida bem complicada, dando muito trabalho na escola e em casa. Depois de um certo tempo fui morar com uma tia, pois meus pais não admitiam o uso de drogas.

Nesta época, no intuito de me ajudar, meu tio me levou para trabalhar em sua Casa Noturna. Foi ali que tive meu primeiro contato com a cocaína. Na primeira vez que usei, já gostei e continuei o uso de forma esporádica.

Algum tempo depois comecei a lutar Jiu-Jitsu e, por almejar uma carreira de lutador profissional, sem nenhum auxílio parei de usar cocaína. Foi o melhor momento da minha vida. Fui bi-campeão brasileiro e cheguei a disputar o campeonato mundial em minha categoria.

Próximo aos meus 18 anos de idade achei que seria normal usar drogas para me divertir com meus colegas e com o falso pensamento de liberdade que a droga traria.

Com o passar dos meses o uso se tornou mais freqüente e descontrolado. Eu cheirava em qualquer ocasião e situação, todos os dias. Nesse momento já tinha perdido um relacionamento e minha promissora carreira.

Fui internado em 3 clínicas ficando, no total, um ano inteiro em tratamento. Quando saí fiquei um certo tempo “limpo”, buscando ajuda psicológica e cumprindo todas as minhas atividades.

Vivia uma vida tranqüila até o momento em que achei que podia usar mais uma vez que não teria problema algum, mas essa “única” vez foi uma recaída cem vezes mais potente que qualquer outro momento de uso.

Comecei a andar armado, minha família me deixou morando sozinho por medo das minhas atitudes, devido ao uso compulsivo e descontrolado da cocaína. Se não tivesse vindo para o Viva, provavelmente estaria morto ou preso nesse momento.

Em resumo, perdi todos os meus sonhos e planos de uma vida normal e vitoriosa. Hoje, após esse período de tratamento, sei que posso ir em busca de tudo que perdi. Quero ter um lar e uma vida saudável. Não quero ser melhor do que ninguém, apenas ter o meu lugar e o respeito da sociedade.

Após a minha primeira internação não voltei a lutar por vergonha dos meus amigos do Jiu-Jitsu, mas agora vou sair e vou ser um lutador profissional, utilizando sempre as ferramentas que aprendi durante o tratamento no CT Viva.

Termos de Uso e Política de Privacidade - Grupo Viva | Clínica Terapêutica Viva © - Todos os direitos reservados